Sábado, Mai 27th

Last updateSex, 26 Mai 2017 1pm

Reformas trabalhista e previdenciária atendem interesses dos patrões

O governo Temer representa os interesses patronais, e suas medidas visam exclusivamente tirar direitos dos trabalhadores para aumentar os lucros das empresas. Companheiro(a), se liga, que as reformas tem tudo a ver com a retirada dos seus poucos direitos!

direitostrabalhistasRice-Site

Querem acabar com a legislação trabalhista para engordar o lucro do patrão

Essa reforma é uma destruição geral de direitos, um desmonte da legislação trabalhista, e não a modernização

A mídia e o governo insistem em dizer que a reforma trabalhista é para modernizar. E que os sindicalistas estão contra porque querem preservar seus privilégios.

São mentiras para enganar a população e empurrar essa reforma que acaba com mais de 100 itens da CLT, a legislação que protege o trabalhador da ganância patronal.

Entre as muitas maldades dessa reforma, as piores são:

Negociado sobre o legislado - Aquilo que o trabalhador negociar com a empresa vai valer mais do que a lei. Com isso, a jornada de trabalho de 8 horas no máximo pode ir até 12, sem hora extra. Isso é inadmissível porque o patrão tem muito mais força e se aproveita do desemprego e da rotatividade de mão de obra para impor o que quer.

Trabalho intermitente - quer dizer que as empresas vão poder contratar os trabalhadores por hora, chama-los só quando quiser e pagar só as horas trabalhadas. Isso vai reduzir salários e piorar as condições de contrato.

Acesso à justiça do trabalho - A reforma elimina a gratuidade para abertura de processo e dificulta a reclamação, pelo trabalhador, de direitos não respeitados.

Vestimentas - A empresa e o patrão vão poder definir como os trabalhadores e trabalhadoras vão se vestir no local de trabalho.

Autoriza mulheres gravidas a trabalharem em locais insalubres.

Terceirização - o projeto sacramenta a terceirização da atividade fim e acaba com a responsabilidade subsidiária, que é a obrigação da empresa tomadora de serviços pagar os direitos do trabalhador caso a empresa contratante dê calote, algo comum no setor de telemarketing.

PJ – O patrão poderá contratar o trabalhador como Pessoa jurídica, sem direito a férias, 13º salário, rescisão de contrato, FGTS e outras garantias.

Além disso essa reforma acaba com:

•Licença maternidade;

 •13º salário;

•Férias de 30 dias;

•Acréscimo sobre horas extra;

 •Repouso para alimentação e descanso;

•Limite de 44 horas semanais;

•Limite de 8 horas de trabalho diário;

•Limite de horas extras diárias;

•O direito do trabalhador ter um Sindicato forte para se organizar e defender seus direitos.

Com a reforma da Previdência, querem fazer você trabalhar até morrer

novaprevi8

No dia 9 de abril a Comissão Especial da Reforma da Previdência aprovou o texto para ser votado pelos deputados. Nesse dia o Congresso foi cercado por grades e o policiamento foi ostensivo (com armas de fogo) para impedir o acesso dos trabalhadores à sessão que aprovou o substitutivo da PEC 287/16.

O texto na prática acaba com o direito do trabalhador à aposentadoria, pois cria regras que impossibilitam o acesso ao benefício. Esse ataque brutal é justificado pelo governo com manipulação e mentira, pois não existe déficit na Previdência. O combate é necessário e urgente!

Veja o que querem fazer:

•Aumentar o tempo de trabalho da mulher, mais que o dos homens, apesar das mulheres conviverem com piores condições de trabalho e com a dupla jornada de trabalho;

•Que você trabalhe até 65 anos (homens) e 62 (mulheres) ou mais para poder se aposentar;

•Obrigar você a trabalhar por até 40 anos, comprovado em carteira, para poder se aposentar (trabalho sem registro não conta);

•Acabar com a aposentadoria por contribuição ou tempo de serviço;

•Obrigar o trabalhador a ter, no mínimo, 25 anos de contribuição para se aposentar por idade, o que é fora da realidade no Brasil;

•Acabar com o direito do trabalhador rural se aposentar, impondo a eles as mesmas regras dos trabalhadores urbanos.

DECRETO Nº 6 523

Código de ética

Criança e adolescente