Domingo, Set 24th

Last updateSex, 22 Set 2017 3pm

Feira Nacional da Reforma Agrária mostra produção orgânica a público de 170 mil em São Paulo

Foram comercializados mais de 280 toneladas de produtos vindos dos acampamentos e assentamentos de todas as regiões do país. E mais de 600 itens de alimentos in natura e agroindustrializados.

Veja AQUI vídeo com a Conferência sobre Segurança Alimentar na 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária, dia 7 de maio de 2017, em São Paulo - Com Pepe Mujica, João Pedro Stedile, Alexandre Padilha, Bela Gil e Letícia Sabatela.

FeriraNacionalRefr

Foram quatro dias de intensa movimentação no Parque da Água Branca, em São Paulo, 170 mil pessoas passaram pela 2ª edição da Feira Nacional da Reforma Agrária, que comercializou mais de 280 toneladas de produtos vindos dos acampamentos e assentamentos de todas as regiões do país. Entre alimentos in natura e agroindustrializados, foram mais de 600 itens que trouxeram para a maior capital do país, uma mostra da diversidade e riqueza da vida no campo.

Essa feira é um grande exemplo que precisa acontecer mais vezes. Espaços como esses fazem as pessoas verem que o Sem Terra produz muita coisa e o mais sensacional: produz sem o uso de agrotóxicos.

Para Antônia Ivaneide, a Neném, do Setor de Produção do MST, a Feira Nacional em São Paulo cumpriu, mais uma vez um importante papel ao dialogar com milhares de pessoas sobre a importância e a necessidade da efetivação da Reforma Agrária, voltada à produção de alimentos para o abastecimento da sociedade.

“Nossa Feira em São Paulo tem um significado muito grande, a materialidade da nossa luta e expressa nos produtos comercializados nos quatro dias uma aproximação da população de São Paulo com a Reforma Agrária Popular e com a luta do MST, um diálogo das ideias e também das nossas práticas. Mesmo sem a cobertura da grande imprensa, o povo de São Paulo veio para a Feira e superamos nessa edição o número de público da nossa Feira em 2015”, explicou Neném.

Pelos corredores da Feira, que reuniam as diversas barracas vindas dos 23 estados e do Distrito Federal, os visitantes encontravam toda a diversidade da vida no campo. Muita gente saiu de lá impressionada com a quantidade de visitantes na Feira, com a diversidade de produtos e sobretudo, pela oportunidade de comprar alimentos não têm veneno na produção que são saldáveis e seguros e, além disso, baratos.

A Feira encerrada na noite de domingo, 7 de maio, contou em sua programação, além da comercialização da produção dos assentamentos, acampamentos e cooperativas da Reforma Agrária, atividades culturais, espaços de debate e uma feira literária. Ao todo mais de 200 pessoas participaram das equipes de trabalho que possibilitaram a realização dessa atividade. 

Confira as fotos dos quatro dias da 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária

DECRETO Nº 6 523

Código de ética

Criança e adolescente