Quarta, Nov 22nd

Last updateTer, 14 Nov 2017 3pm

A conquista da Igualdade de raça no Brasil AGORA, por democracia e bem-estar social!!

Dia Nacional da Consciência Negra é um dia de luta social e contestação a toda forma de racismo. Na cidade de São Paulo haverá atos políticos e uma marcha de combate à discriminação.

Essa manifestação reúne diversos movimentos sociais de combate ao racismo e outras formas de discriminação, denunciando o desrespeito ainda presente na sociedade brasileira à diversidade humana, que constitui esta nação multirracial e multicultural.

Os movimentos por igualdade sempre lutaram pela manutenção do estado LAICO e democrático, livre da discriminação e da intolerância que persistem na sociedade brasileira, em seus espaços púbicos e privados, em especial no mercado de trabalho.

VAMOS PARA ÀS RUAS NO DIA 20 DE NOVEMBRO MARCHAR A FAVOR DA CONSTRUÇÃO DE UMA SOCIEDADE MAIS IGUALITÁRIA  PARA TODAS E TODOS!!!

Mais que nunca é preciso irmos às ruas em defesa da tolerância, da democracia, da distribuição de renda, porque o país vive uma escalada inédita de violência ideológica, imposição de ideias conservadoras, retrocessos históricos em direitos democráticos, sociais e trabalhistas.

 

14º Marcha da Consciência Negra

Concentração a partir das 13h00 - MASP - Av. Paulista

Com atividades culturais e ato político

Saída da Marcha às 16h00

Contra o racismo e o genocídio!

Por um projeto político para o povo negro! 

 

Em defesa  dos direitos e conquistas trabalhistas 

Pela valorização dos que trabalham no setor de Telemarketing

O setor de  telemarketing tem preponderância na promoção da empregabilidade de milhares de afrodescendentes em todo o país, que são na maioria jovens e mulheres que encontram a oportunidade do 1° emprego neste setor.

Assim, luta pela manutenção das normas da CLT, combatendo a reforma trabalhista aprovada à revelia dos que trabalham e pela manutenção das normas mais favoráveis aos trabalhadores e trabalhadoras.

Queremos a garantia das conquistas até aqui em curso, como o direito integral das férias, a garantia do piso salarial com jornada de trabalho fixa e ambiente saudável, no qual as normas do ANEXO II da NR 17 devem ser aplicadas integralmente.

O Sintratel, para o próximo período, quer empreender ações que promovam planos de carreira e aprimoramento profissional, para que os trabalhadores e trabalhadoras possam desfrutar de experiências que contribuam com sua ascensão profissional nas empresas do setor.

É fato que a ampla oportunidade de ascensão profissional está relacionada diretamente à sonhada democracia, e pode ser um poderoso meio de promoção de justiça social.

A discriminação racial provocou, durante décadas após a abolição da escravatura, o empobrecimento dos afrodescentes, que na sua maioria absoluta eram obrigados a ocupar as vagas de emprego com os menores salários e menos prestígio na sociedade.

A dificuldade imposta aos afrodescentes para pleitear postos de trabalho formais em especial nos setores mais prestigiados, foi cristalizada também em virtude da enorme dificuldade provocada pelo racismo e discriminação contra esta população tratada como pária sem perspectiva de morar, educar-se e principalmente integrar-se à sociedade como cidadão de fato, exacerbando a dificuldade em estar nas universidades e concorrer em situação de igualdade no mercado de trabalho, inclusive como empreendedores ou mesmo profissionais liberais.

 

VIVA O ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL

Em virude do empenho dos que lutam por justiça e igualdade, comemoramos sete anos do Estatuto da Igualdade Racial, instituído pela Lei 12.888, de 20 de julho de 2010 em nosso país.

Viva a igualdade de oportunidade, chega de discriminação!!

Art. 1  Esta Lei institui o Estatuto da Igualdade Racial, destinado a garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica.

Parágrafo único.  Para efeito deste Estatuto, considera-se:

I - discriminação racial ou étnico-racial: toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada;

II - desigualdade racial: toda situação injustificada de diferenciação de acesso e fruição de bens, serviços e oportunidades, nas esferas pública e privada, em virtude de raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica;

III - desigualdade de gênero e raça: assimetria existente no âmbito da sociedade que acentua a distância social entre mulheres negras e os demais segmentos sociais;

IV - população negra: o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição análoga;

V - políticas públicas: as ações, iniciativas e programas adotados pelo Estado no cumprimento de suas atribuições institucionais;

VI - ações afirmativas: os programas e medidas especiais adotados pelo Estado e pela iniciativa privada para a correção das desigualdades raciais e para a promoção da igualdade de oportunidades.

 

A JUVENTUDE NEGRA TEM QUE  VIVER  EM  PAZ!!

A juventude em qualquer sociedade civilizada significa garantia de perpetuação da existência dessa sociedade e por isso, ter acesso a saúde, renda e educação são imprescindíveis a todos, independente de raça, credo ou orientação ideológica.

A violência policial, somada a cristalização da miserabilidade sem equipamentos sociais, escolas, areias de lazer e urbanização imposta a  população afrodescente, em especial nas regiões periféricas das grandes metrópoles brasileiras tem ocasionado extermínio de jovens afrodescentes em todo o pais.

É preciso desnaturalizar a violência policial e o recrutamento que o mercado do crime faz nas ruas das grandes cidades, violando a dignidade dos jovens que se tornam parte e vitimas da violência crescente.

A destinação de políticas púbicas em favor da construção de áreas de lazer e educação para que estes jovens tenham a chance de viver em paz e com dignidade consolidando as normas previstas no estatuto da Igualdade Racial, instituído pela Lei 12.888, de 20 de julho de 2010 pelo PRESIDENTE DA REPÚBLICA.

O SINTRATEL estará ao lado dos movimentos sociais contribuindo com a fomentação da luta por igualdade de oportunidade e pelo fim da intolerância étnica.

DECRETO Nº 6 523

Código de ética

Criança e adolescente