Notícias

Estudo aponta que aumento no número de mortes violentas é motivado pela disputa de território de facções criminosas no norte e nordeste

 

Os casos de homicídios no Brasil atingiram o número mais alto no nível histórico, conforme apontou o Atlas da Violência de 2019, que analisa os dados do SIM/MS (Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde) de 2017. Conforme os números oficiais, 65.602 pessoas foram assassinadas em 2017 — o que corresponde a quase 180 mortes do por dia no Brasil. A taxa é de aproximadamente 31,6 mortes para cada cem mil habitantes.

 

Os dados, divulgados nesta quarta-feira (5) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), apontam um aumento de 4,9% de homicídios no país em relação a 2016, quando houve 62.517 assassinatos. “O aumento é puxado, sobretudo, pelo cenário de violência nos estados do norte e nordeste, em função da eclosão da guerra de facções criminosas, narcotráfico e mercados varejistas de drogas na rota do rio Solimões”, explica Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea.

 

Cerqueira explica que, entre os anos de 2000 e 2013, a área plantada de cocaína na Colômbia diminuiu e, com isso, o Brasil passou a ganhar destaque como um corredor de drogas. “Em meados de 2016 e 2017 essa guerra explode com as mortes nos presídios de Manaus e Roraima”, diz o pesquisador.

 

As 55 mortes de detentos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, no Amazonas, que ocorreram em maio deste ano também demonstram, segundo ele, a tensão no ambiente das cadeias.

 

Os piores indicadores estão nos estados que compõem a rota do Solimões, como Acre e Amazonas, na região norte, e Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco, no nordeste. “Esses três estados tem posições geográficas estratégias para exportar drogas para a Europa”, diz Cerqueira.

 

Do total das pessoas assassinadas, a pesquisa mostra que 75,5% eram negras (pretas e pardas). Entre as vítimas do sexo masculino, 64,6% eram pardas, os homens brancos representam 26,4% dos mortos, e 8,5% eram pessoas pretas. Indígenas e classificados como com a cor de pele amarela foram, respectivamente, 0,3% e 0,1%.

 

Das mulheres, os dados apontam que 56,2% eram pardas, 35,6% das mulheres eram brancas e as pretas representam 7,2% do total das vítimas do sexo feminino. Indígenas atingiu 0,8% e, amarelas, 0,2%.

 

O Atlas da Violência indica que 9 em cada 10 homicídios vitimaram homens. Tratando de faixa etária, os jovens de 15 a 19 anos do sexo masculino são os mais assassinados no Brasil: 59,1%. Enquanto as jovens do sexo feminino nessa idade foram 17,4%.

 

Fonte: Portal R7

 
0
0
0
s2smodern

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar