Notícias

Jornal dos EUA é taxativo ao criticar o presidente brasileiro por sua irresponsabilidade diante da pandemia do coronavírus.

O novo vírus do coronavírus, que já infectou pelo menos 1,8 milhão de pessoas em 185 países, tornou-se um teste global da qualidade da governança. A gravidade do surto em muitas nações dependeu de quão bem – ou mal – os governantes responderam a ele. Os melhores desempenhos até agora incluem Nova Zelândia, Taiwan, Coréia do Sul e Alemanha, que conseguiram reduzir bastante infecções e mortes por meio de testes, rastreamento de contatos e bloqueios.

O fundo do barril global também é bastante visível: os governantes da Bielorrússia, Turquemenistão, Nicarágua e Brasil rejeitaram a seriedade do vírus e instaram seus cidadãos a continuar mais ou menos o normal. Bielorrússia e Nicarágua ainda estão realizando esportes profissionais; O homem da Bielorrússia Alexander Lukashenko aconselhou as pessoas a evitar contrair a covid-19 tomando saunas freqüentes e bebendo vodka. O caso do ditador nicaragüense Daniel Ortega ainda é estranho: ele não é visto nem ouvido em público há um mês.

De longe, o caso mais grave de improbidade é o do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Quando as infecções começaram a se espalhar em um país de mais de 200 milhões de pessoas, o populista de direita descartou o coronavírus como “um pouco de gripe” e instou os brasileiros a “enfrentar o vírus como um homem, caramba, não um menino”.

Pior, o presidente tentou repetidamente minar as medidas tomadas pelos 27 governadores estaduais do país para conter o surto. Bolsonaro primeiro emitiu um decreto retirando os estados do poder de restringir o movimento. Em seguida, ele tentou isentar igrejas e casas lotéricas de restrições às reuniões.

 

Felizmente, nos dois casos, ele foi anulado pelos tribunais. Mas o presidente continuou a campanha contra o distanciamento social; outra ordem judicial foi necessária para interromper uma campanha publicitária que ele lançou sob um slogan em português que se traduz como “#Brasil não pode parar”.

Governadores de estado e o ministro da Saúde de Bolsonaro exortaram o público a desconsiderá-lo, e manifestantes em várias cidades estão batendo panelas e frigideiras de suas casas à noite em protesto.

Uma pesquisa mostrou que 76% das pessoas aprovam o tratamento convencional da crise pelo ministro da Saúde, em comparação com 33% que apoiam o de Bolsonaro. Mas o presidente está tendo um efeito sinistro.

Em São Paulo, a maior cidade do país e o epicentro de sua epidemia, o rastreamento de celulares mostrou que apenas 50% de seus quase 13 milhões de habitantes permaneceram em casa no domingo de Páscoa. O resultado previsível tem sido uma taxa crescente de doenças e mortes.

Na segunda-feira, o Brasil ocupava a 14ª posição no mundo em infecções, com mais de 22.000, e 11ª em mortes, com 1.245, segundo o site de rastreamento da Universidade Johns Hopkins.

Epidemiologistas estão prevendo que o pico de infecções e mortes ainda está por vir, graças à frouxidão no distanciamento social incentivada por Bolsonaro.

Um disse ao jornal britânico The Guardian que esperava que os serviços de saúde ficassem sobrecarregados em três a quatro semanas.

Embora os Estados Unidos dificilmente tenham sido um líder mundial em parar o vírus, eles tiveram um desempenho melhor desde que o presidente Trump retirou sua própria retórica minimizadora no mês passado e apoiou os esforços de contenção recomendados pelos profissionais de saúde. Ele poderia fazer um grande favor ao Brasil telefonando para Bolsonaro, que tem sido um aliado político, e instando-o a fazer o mesmo.

Fonte: Portal Vermelho

0
0
0
s2smodern

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar