Notícias

OMS alerta que, caso não haja medidas de contenção, região pode alcançar mais de 400 mil mortes em outubro

 

A América Latina superou a marca de 2,5 milhões de pessoas contaminadas com o coronavírus. O Brasil de Fato fez um levantamento dos principais casos da região utilizando dados do Instituto Johns Hopkins, que também indica mais de 110 mil mortos por conta da doença na região.

Diretores da OrganizaçãoMundial da Saúde (OMS) na América Latina, durante entrevista coletiva nessa terça-feira (30), alertaram que a região pode alcançar 438 mil mortes até outubro, caso as medidas de contenção – como isolamento social e uso de máscaras – não sejam mantidas pelos governos locais.

Durante a coletiva, Clarissa Etienne, diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), entidade vinculada à OMS, comemorou a estagnação dos dados em alguns países da região.

“Vários países e territórios do Caribe conseguiram interromper completamente a transmissão e não notificaram novos casos por várias semanas, mas devem permanecer vigilantes nos próximos meses”, informou Etienne.

Em nota emitida no dia 24 de junho, a Opas alertou que a América Latina deve enfrentar surtos recorrentes de coronavírus até 2022. “Devemos ser realistas sobre o futuro: todos temos que nos adaptar a um novo modo de vida e redefinir nosso senso de normalidade.”

Em números absolutos, o Brasil é o país mais afetado na região, com 1,3 milhão de infectados e 58 mil mortes, seguido pelo México, que tem 220 mil casos confirmados e 27 mil óbitos, e o Chile, com 216 mil contaminados e 4,7 mil vítimas fatais.

O Brasil de Fato destacou algumas informações básicas do avanço da pandemia na região e as ações assumidas pelos governos locais.

 

América do Norte e Central

México

Em número de infectados e óbitos na América Latina, após o Brasil, está o México, que tem 220 mil infectados desde que o vírus chegou ao país. Das 32 entidades federativas do país, 18 estados entraram na chamada fase laranja das medidas de distanciamento. A medida vale, por exemplo, para a capital, Cidade do México, que concentra o maior número absoluto de casos e mortes.

Algumas atividades econômicas e recreativas estão permitidas desde segunda-feira (29), mas com restrições. Hotéis, restaurantes, salões de beleza e parques podem abrir com 50% da capacidade normal. Supermercados podem operar, mas somente um membro de cada família pode acessar os espaços por vez.

Em todos os casos, é preciso garantir uso de máscaras, álcool em gel para higienização e medição de temperatura.

Onde há mais de trinta trabalhadores é preciso realizar testes semanais em pelo menos 5% deles. Pessoas com suspeita da doença não podem sair de casa antes que fiquem prontos os resultados dos exames.

Outros 14 estados mexicanos seguem na fase vermelha da quarentena, com medidas restritivas que impedem abertura de comércio, ocupação mínima de espaços e controle ainda maior para os estabelecimentos essenciais, como supermercados.

 

Guatemala

Na Guatemala, o combate à pandemia foi marcado por polêmicas que terminaram com a demissão do ministro da Saúde do país, Hugo Monroy, há cerca de dez dias. Profissionais da saúde denunciaram a falta de equipamentos de proteção, além de hospitais lotados e muitos infectados entre os trabalhadores da área.

O país já registrou mais de 17,4 mil infectados e contabiliza mais de 740 mortos. No domingo (28), o presidente Alejandro Giammattei anunciou medidas que estarão vigentes pelos próximos 15 dias, numa tentativa de diminuir a curva de contágio.

O país segue com toque de recolher entre 18h e 05h da manhã, de segunda a sábado, aos domingos o confinamento é total e obrigatório. Há restrições ainda para o trânsito de veículos particulares, com esquemas de rodízio. Reuniões de todo o tipo estão proibidas.

Se não houver melhora nos números em duas semanas, medidas mais restritivas deverão ser anunciadas.

 

Panamá

Outro país centro-americano, o Panamá viu o número de casos crescer consideravelmente após afrouxar as medidas de restrição de circulação, que valiam desde o fim de março. Comércio e serviços foram autorizados a retomar as atividades em meados de maio. No começo de junho, foi a vez da indústria e do setor público.

Com isso, as regiões mais pobres da nação, que concentram boa parte dos trabalhadores, passaram a registrar dados alarmantes. As infecções diárias estavam abaixo de 200 durante o isolamento, mas, na segunda-feira (30), passaram de mil.

O número de pacientes em terapia intensiva aumentou quase 50% em maio. O governo se viu obrigado a retomar a quarentena na capital, a Cidade do Panamá.

 

Honduras

Com quase 19 mil infectados e 500 mortos, a situação dramática de Honduras é exposta nas palavras do presidente Juan Orlando Hernández. Durante uma conferência com ministros na sexta-feira (26), ele afirmou que o cenário se complica a cada dia. O próprio Hernández foi infectado pela covid-19.

Autoridades de saúde do país alertam para o estrangulamento da capacidade de atendimento no sistema de saúde, que tem apenas 9,3 milhões de habitantes. Ainda assim, a situação econômica de parte da população impede o cumprimento de medidas restritivas.

Na semana passada, imagens de corpos ensacados em corredores no Hospital Estadual Escola, o principal do país, foram publicadas na internet. O sindicato dos trabalhadores da unidade denuncia falta de material de proteção e necrotério sem sistema de refrigeração. Pacientes estão sendo atendidos em tendas improvisadas.

Segundo a associação de funerárias hondurenha, o número de mortos pode ser até cinco vezes maior que o oficial.

 

El Salvador

Em El Salvador foi registrado recorde de novos casos nas 24 hora entre segunda (29) e terça-feira (30). Os registros oficiais apontam mais de 6 mil e 400 casos. Mais da metade foi registrada somente no mês de junho. Segundo o governo, a situação foi potencializada pelo deslocamento forçado de pessoas atingidas por duas tempestades tropicais no fim de maio.

No entanto, o país está na primeira fase de um plano de reabertura das atividades econômicas desde 16 de junho. Isso inclui o funcionamento de setores da construção, manufatura e têxtil, aeronáutica, portos marítimos, serviços de contabilidade e advocacia de negócios e investimentos, além de serviços de comércio on-line, impressão e consultas médicas e de enfermagem. Com o aumento nos números, o Ministério da Saúde já anunciou que o país não vai avançar para a segunda fase de abertura.

 

Caribe

Cuba

Em Cuba, um sistema criterioso de vigilância sanitária tem mantido os números em patamares baixos. Toda a população recebe a visita de equipes médicas diariamente, que investigam as condições de moradia, qualquer tipo de novo sintoma – mesmo que não relacionado à covid-19 – e eventuais novas infecções.

Além do isolamento de casos suspeitos, toda a rede de contatos dos pacientes entra em esquema de controle e os curados recebem tratamento posterior para combate a eventuais sequelas.

A ilha registrou até agora 2.341 casos e 86 mortos. A população de 11,3 milhões de habitantes é estimulada a ficar em casa e o transporte coletivo está suspenso.

 

Haiti

No vizinho Haiti, no entanto, a situação é diferente. Oficialmente o país tem quase 6 mil casos e mais de 100 mortes, mas a subnotificação pode esconder um cenário ainda mais complicado para os pouco mais de 11 milhões de habitantes.

Há relatos de infectados que não procuram o sistema de saúde e acabam morrendo em casa. Além disso, o país passar por instabilidades políticas desde 2016, com a eleição do presidente Jovenel Moïse.

Com uma política neoliberal, o mandatário aprofundou a crise econômica na região. Em protestos, a população reclama da falta de medidas de combate ao novo coronavírus e o isolamento esbarra em problemas como a informalidade dos trabalhadores e as condições de habitação precárias.

 

Porto Rico

Território dos Estados Unidos, a ilha de Porto Rico tem registros ainda maiores da covid-19, São mais de 7 mil casos e pelo menos 150 mortes. A explicação pode estar na quantidade maior de testes aplicados em relação ao Haiti, por exemplo.

Ainda assim, existem críticas também à abertura das atividades econômicas, que começou no início de junho. O país mantém um toque de recolher, mas reabriu cinemas, teatros, academias, praias e até mesmo spas.

 

República Dominicana

A República Dominicana se preparava para reabrir as atividades turísticas na primeira semana de julho, frente a um número de infectados que chega a quase 32 mil pessoas. No entanto, o Ministério da Saúde divulgou uma série de restrições nesta terça-feira (30).

Estão proibidos eventos com aglomerações e o funcionamento de cassinos, cinemas e teatros. Os hotéis e restaurantes podem funcionar com restrições de público. Mesmo com os números da covid-19, o país não adiou as eleições presidenciais, marcadas para o próximo domingo (5).

 

América do Sul

Venezuela

Na Venezuela, que vinha flexibilizando medidas de isolamento desde 1º de junho, os números apresentaram escalada. Frente ao cenário, o governo do presidente Nicolás Maduro anunciou o fechamento do metrô da capital Caracas e limitou o tráfego nas rodovias.

Em cerca de três semanas, os registros de infectados passaram de pouco de 1,6 mil para mais de 5,5 mil. Foram confirmadas 48 mortes até o momento.

Primeiro país do continente a decretar quarentena em todo o território nacional e o fechamento de fronteiras, a Venezuela tem atuado também no controle das condições de saúde dos seus cidadãos que decidem voltar ao país, que estão retornando por corredores humanitários terrestres e aéreos.

O governo informou que cerca de 80% dos casos são de pacientes que chegaram de outras nações durante a pandemia.

 

Colômbia

A Colômbia tem hoje mais de 90 mil casos confirmados da covi-19 e os óbitos superam 3,2 mil. O governo anunciou na semana passada que a quarentena será mantida até pelo menos 15 de julho.

Havia previsão de retomada das atividades no início do mês e alguns comércios não essenciais já estavam operando. Mesmo com os números expressivos de casos e mortes, os municípios em que não foram registrados infectados poderão entrar em um plano piloto que prevê abertura de igrejas e restaurantes.

 

Equador

Logo no início dos registros do vírus no continente, a cidade de Guayaquil, no Equador, se tornou símbolo do drama da pandemia. O município portuário chegou a ser o mais atingido da América do Sul. Imagens e relatos de corpos nas ruas e famílias sem assistência percorreram o mundo. Na época, mais da metade dos casos do país tinham origem na cidade.

Os números se estabilizaram, mas o desafio ainda permanece frente a um sistema de saúde sem capacidade de atendimento. Hoje, o Equador tem mais de 55,6 mil confirmações da doença e 4,5 mil casos fatais.

Durante o mês de julho o país passar a colocar em prática medidas de retomada da economia, dividindo os municípios em três fases. Mas, mesmo nas cidades que terão medidas menos restritivas, restaurantes e shoppings só poderão atender a 50% da capacidade.

Nenhuma reunião com mais de 25 pessoas e sem condições de distanciamento de dois metros será permitida e a circulação de carros será feita em esquema de rodízio.

Nas cidades em alerta rígido será mantido o toque de recolher e agrupamentos de qualquer número estarão proibidos. Somente 30% da força de trabalho serão autorizados a atuar presencialmente.

 

Peru

Sexto do mundo com maior número absoluto de casos, o Peru adotou a quarentena mais cedo que a maior parte das nações. No entanto, diante dos cerca de 70% de trabalhadores informais e de um sistema de saúde despreparado, o país tem a segunda pior situação da América Latina.

Em alguns períodos, o registro total de mortes superou os números de 2019 em mais de 80%. O governo estabeleceu auxílio para os profissionais autônomos, mas como boa parte deles não possui conta em banco, as aglomerações em agências se tornaram grandes focos de contágio.

As condições de conservação de alimentos em casa são precárias, o que obrigou a população a continuar frequentando mercados e feiras. Segundo o próprio governo, em alguns desses locais, mais de 80% dos trabalhadores se infectaram.

A precariedade nas estruturas de moradia e a aglomeração de famílias em espaços pequenos impediu o isolamento em muitas regiões.

O país já vive um processo de retomada das atividades econômicas, mas sete regiões onde vivem mais de 6 milhões de pessoas seguem em quarentena rígida, com funcionamento apenas de serviços essenciais.

Em todo o país, as aulas seguem suspensas e o toque de recolher será mantidos. O confinamento obrigatório para menores de 14 anos, maiores de 65 e doentes crônicos também continuará.

 

Bolívia

Na Bolívia, são mais de 32 mil infectados em uma população de 11,35 milhões de pessoas. Nessa semana, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos divulgou uma carta pública em que expressava consternação pelos registros de mortos em vias públicas e pacientes sem atendimento.

A informalidade, que atinge mais de 60% da população, também é um dos grandes obstáculos. Por dois meses, o governo conseguiu manter políticas de isolamento, mas as dificuldades econômicas impossibilitaram a continuidade do processo.

A capacidade do sistema funerário também está limitada e há relatos, não confirmados oficialmente, de famílias enterrando mortos nos próprios terrenos em que moram.

O país vem enfrentando também índices altos de contrabando de medicamentos usados no tratamento da covid-19 e que estão sendo ingeridos pela população sem orientação médica. Denúncias de venda de plasma também acendem o alerta das autoridades.

 

Chile

A desigualdade social e a falta de atenção às populações periféricas fez com que o Chile se tornasse o sétimo país do mundo com o maior número de infectados e o terceiro na América Latina.

Atualmente, os registros de infectados são superiores a quase 276 mil e as mortes ultrapassam 5,6 mil, mas o próprio governo admite que esse número pode ser superior a 8 mil. Em junho, quase metade dos óbitos no país tiveram a covid-19 como causa.

Enquanto a pandemia se concentrava entre as classes mais ricas, a testagem em massa e a quarentena seletiva surtiram efeitos. Mas a partir do momento em que as populações mais pobres, sem trabalho formal e sem acesso a assistência social, começaram a ser atingidas, a situação mudou.

O setor da mineração, por exemplo, nunca parou. A desigualdade se expressa nitidamente nas diferenças das taxas de mortalidade entre hospitais públicos e privados. Os primeiros registram até o dobro de casos fatais.

 

Paraguai

O cenário é menos preocupante no Paraguai, que tem o menor número de vítimas fatais de todo o continente americano. Os infectados estão acima de 2 mil pacientes, mas foram registrados 16 óbitos até o momento.

Em fevereiro, antes da chegada do novo coronavírus nas Américas, o governo suspendeu a emissão de vistos para visitantes da China. Cerca de um mês depois, com o registro de apenas dois casos, foi decretada quarentena nacional, com suspensão de aulas, proibição de eventos e toque de recolher.

Na ocasião, a OMS não havia nem mesmo declarado estado de pandemia global. Ciente da insuficiência do sistema de saúde para lidar com o descontrole de casos, o poder público atua para o controle máximo das infecções.

Atualmente, o Paraguai vive um processo de retomada das atividades econômicas, mas as medidas são graduais e limitadas por fases. Além disso, o país mantém fechadas as fronteiras terrestres e o Exército controla a entrada de estrangeiros.

 

Uruguai

Um dos países com a situação menos crítica em toda a América Latina, o Uruguai colhe os frutos de 15 anos de investimentos consistente em assistência social, durante governos de esquerda.

Até agora, os registros de morte não passam de 30 e o número de infectados é inferior a mil. A população conta com assistência médica de qualidade e tem as menores taxas de pobreza da região.

Frente ao avanço da pandemia pelo continente, o governo fechou as fronteiras antes dos vizinhos e proibiu o acesso ainda em 1° de março.

Com população de apenas 3,5 milhões habitantes e condições econômicas de isolamento, a quarentena também cumpriu um papel essencial. As aulas seguem suspensas em regiões com maior número de casos, mas mesmo onde foram retomadas, a presença dos alunos fica a critério dos pais e foi limitada a patamares menores que os anteriores.

 

Argentina

A Argentina enfrenta a pandemia com a economia em frangalhos após o governo radicalmente neoliberal do ex-presidente Mauricio Macri. Eleito em 2019, o novo presidente Alberto Fernández, de esquerda, não hesitou em determinar o fechamento do país e o isolamento social, mesmo frente à necessidade de reconstrução econômica.

O poder público baseou todo o discurso de combate à covid-19 na proteção à saúde da população. No entanto, as regiões periféricas da capital Buenos Aires ainda sofrem com a propagação da doença.

O país tem hoje mais de 62 mil casos e cerca de 1,2 mil mortes, em um universo de 44,5 milhões de habitantes.

Mais de 90% dos registros estão na região metropolitana da capital. Havia expectativa de reabertura gradual, mas diante da escalada de novos casos em poucos dias, o governo determinou novamente isolamento total para a região. Pelo menos até 15 de julho, somente os serviços essenciais poderão funcionar e a polícia estará nas ruas para controle da circulação.

As palavras de Alberto Fernández ao anunciar mais uma fase de restrições rígidas dão o tom do caminho seguido pelas nações que enfrentam as situações menos graves na América Latina: “Uma economia que cai pode ser levantada, uma pessoa que morre, não”.

As diferenças entre os que conseguiram controlar o avanço do coronavírus são muitas. Do Uruguai com grandes investimentos sociais por décadas, ao Paraguai que admite a fragilidade do próprio sistema de saúde, passando pela Argentina com a economia extremamente comprometida: quem demonstra sucesso em proteger o povo aposta primeiro nas vidas, na educação e na informação para o combate à doença.

 

Fonte: Brasil de Fato

0
0
0
s2smodern

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar